Futebol de Brasília: PARTE III

Futebol de Brasília: PARTE III

Gama, glórias no campo e fracasso nas finanças.  

Em entrevista ao Programa Gamados por futebol, o ex-presidente do Gama, Carlos Macedo, disse:

“Deixei  o Gama no dia 27.11.2011, quem assumiu o clube foi o Oldemar, deixamos $27.500.000,00 em patrimônios  referente a doações, área do supermercado, 200 vagas de garagem, as lojas dos drive thru. Deixamos aproximadamente 3 milhões em dívidas trabalhistas. Eles receberam parte em dinheiro e trocaram o que sobrou por 52 apartamentos, sendo que não tem nenhum hoje. O Tonhão assumiu em novembro de 2012”. 

  • O que aconteceu com os patrimônios do Gama, deixados pela gestão do ex-presidente  Carlos Macedo, no final de 2011?

Promessa não cumprida do ex-presidente do Gama, Tonhão.

“Vocês verão aí nos próximos dias novos passos que o Gama deu no sentido de avançar ainda mais na sua estrutura, a criação de um hotel aqui dentro do clube, uma estrutura de um ginásio de esportes, outras situações de criação de estrutura física”.

  • Cadê o hotel? Cadê o ginásio de esportes? Cadê os patrimônios deixados pelo ex-presidente Carlos Macedo?

Em outubro de 2020, Weber Magalhães afirmou o seguinte: 

“Com todas as dificuldades que estamos enfrentando no mundo inteiro, com essa covid-19, a busca por soluções ficou cada vez mais difícil. Tivemos que buscar apoio financeiro de outro país, as dificuldades aumentaram ainda mais”.  

“Não conseguimos ainda receber a parcela inicial do dinheiro que estamos esperando. Enquanto isso, buscamos outras alternativas, uma delas era o governo do Distrito Federal.  Ainda não recebemos resposta do Banco de Brasília sobre a solicitação e qual valor vai ser repassado. Tivemos a promessa do GDF em nos ajudar nesta batalha em busca de recursos. O Banco ainda não nos respondeu qual vai ser a ajuda financeira”, disse Weber Magalhães. 

  • Após essas declarações do Weber Magalhães, já se  passaram 5 meses e nada aconteceu, além disso, não temos nenhuma satisfação do atual presidente da SEG junto a torcida Gamense.  

O 2° vice-presidente do Gama, Wendel Lopes, disse o seguinte

“O Gama levará em torno de 10 anos para equacionar suas dívidas”.

Alguém tem dúvidas que o Gama corre o sério risco de entrar em processo de falência?

Lei de Responsabilidade Fiscal no Gama.

Será necessário adequar o estatuto do Gama à Lei de Responsabilidade Fiscal para prevê punições severas  a dirigentes que lesar o clube.Na prática, o ideal é que qualquer membro eleito, desde o presidente, poderá perder o mandato e se tornar inelegível por até 15 anos se adotar as práticas de sonegação de tributos ou apropriação indébita. Ou seja, quem  causar prejuízos e atos lesivos ao patrimônio e à imagem do Gama tem que pagar com bens particulares, inclusive, mesmo após o término dos mandatos.

Enfim, é muito preocupante a situação financeira do Gama, a que nível o clube chegou, incompetência dos antecessores e sucessores, lamentável, estão acabando com a rica história do Gama. 

Parte I: http://98fmgama.com.br/futebol-de-brasilia/
Parte II: http://98fmgama.com.br/futebol-de-brasilia-parte-ii/

  Por. Marcos Prefeito 
Comentarista Esportivo
admradio

admradio

Um comentário em “Futebol de Brasília: PARTE III

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Peça sua Música!